STRYKE - Virtual Metal Magazine

RADIO A FERRO E FOGO

sábado, 28 de fevereiro de 2009

ATITUDE ENTREVISTA ROGÉRIO LUCENA - O HOMEM DO OLDSCHOOLBANGERSMARCH


Saudações Rogério. Em nome da equipe atitude agradeço a sua disponibilidade para nos conceder essa entrevista. É muito importante divulgar toda ação underground realizada com seriedade e esse trabalho você faz com muita competência. Apesar de não nos conhecermos pessoalmente o considero um amigo e um irmão no Metal. Admiro muito seu blog e suas postagens, inclusive foi um dos incentivos para que eu criasse o ATITUDE UNDERGROUND.

Paulão, é uma satisfação e um orgulho estar presente nas páginas do Atitude, feito e idealizado por uma verdadeira lenda do Metal assim como você.
ATITUDE: Inicialmente gostaria que contasse um pouco da sua história e o Heavy Metal

ROGÉRIO: Cara, o começo de tudo pra mim veio com o Kiss em 1983, época em que eles estiveram por aqui. Ainda me lembro ainda garoto, vendo ao Fantástico, quando fizeram uma pequena reportagem sobre os shows dos caras por aqui. Vi aqueles malucos rolando no palco, com as faces pintadas....pensei..."que porra é essa???"...a princípio achei que fosse teatro ....hahahahaha...depois ouvindo o som, achei aquilo incrível, algo que nunca havia escutado antes. A partir daí fui procurar saber mais da banda, fui adquirindo reportagens, discos, fitas K7, essas coisas. A partir disso, aos poucos, fui sendo apresentado por amigos a outras bandas....Iron Maiden, Scorpions, AC/DC, Saxon, Ozzy Osbourne, etc. A paixão só aumentava, e junto com ela o fanatismo. Aí veio o Rock in Rio em 1985. Nesse momento eu já estava completamente envolvido com a cena. Foi quando passei a tomar conhecimento das bandas Thrash da época. Cara, aí a coisa fudeu mesmo. Bandas como Slayer, Sodom, Possessed, Kreator, Venom, Destruction, Hellhammer/ Celtic Frost, etc. E a coisa foi indo e perdura até os dias de hoje. É paixão mesmo, não tem jeito!
ATITUDE: Você é de Tatuí, interior de SP. Nos conte um pouco sobre o movimento em sua cidade

ROGÉRIO: Então, na verdade eu moro em Tatuí há seis anos. Mas sou de Santos, e morei bastante tempo em Itatinga (interior de SP), onde tenho ótimos amigos e bangers realmente fudidos. A cena aqui em Tatuí é bastante considerável. Por ser conhecida como a capital da música, há diversas bandas e muitos bangers pelas ruas. Mas, acredito que a cena não se difere muito da maioria das outras cidades do País. Os mesmos problemas, os mesmos agitos, aquela coisa de sempre. Mas, me considero um privilegiado, pois no meu convívio com os bangers que conheço aqui, os laços são bastante estreitos, ótimas amizades mesmo..


ATITUDE: Que fatos e bandas mais marcaram a cena headbanger 80 em sua opinião?Qual a principal diferença entre aquela época e a de hoje?

ROGÉRIO: Puta cara, seriam muitas bandas importantes para serem citadas todas aqui. Cada uma teve uma importância dentro da cena, seja para se iniciar um estilo, ou consolidar o movimento. Acredito que o Maiden, o próprio Kiss (muitos assim como eu começaram a curtir som com os caras), Black Sabbath/Ozzy Osbourne, Metallica, Slayer (para a firmação do Thrash), Venom, Hellhammer/Celtic Frost, Possessed, Sodom, Venom (definindo o lado mais obscuro do estilo). São muitas, não daria para citar todas aqui. Quanto às diferenças para aquela época e hoje, vejo muitas. Na época, creio que paixão era maior, talvez pelo fato dos movimentos estarem iniciando, das dificuldades em se adquirir material de alguma banda, os poucos meios de divulgação... era muito difícil para algum banger conseguir um vinil do Venom por exemplo. Só se conseguia por versões importadas e custavam os olhos da cara. O lance era gravar em fitas K7. E isso era muito legal, porque, quando algum banger amigo conseguia uma gravação do novo do Slayer, por exemplo, ia todo mundo na casa do cara ouvir o som munido de garrafões de vinho, ou qualquer outra bebida que as vaquinhas que fazíamos era possível comprar. E ali (geralmente no quarto do cara), o lugar virava um verdadeiro show. Todo mundo headbangeando feito louco, e a fitinha rodava diversas vezes...hahahahaha... Lá pelas tantas com todo mundo exausto. Geralmente o comentário era : "caralho que play fudidooooooooooo"...hahahahahahahahahaha...tempos bons aqueles....

ATITUDE: Como surgiu a idéia de montar o Oldschoolbangersmarch? Como tem sido a aceitação pela galera?

ROGÉRIO: Cara, a idéia surgiu da minha própria dificuldade em achar blogs voltados para o estilo e a minha vontade de compartilhar o material que possuo com outros bangers da velha guarda e outros mais novos que se interessam, ou, estão a fim de saber como tudo começou. Não sei quanto à aceitação, mas até hoje ninguém falou mal não... rsrsrsr. O lance, na verdade é valorizar o material do blog, sempre voltado a velha escola. Não me importo com a aparência do site e tal... valorizo sim as bandas, sejam elas clássicas ou não. Aquela época foi a mais frutífera e marcante de todos os tempos, e não seria justo ter uma lista tão grande de material guardadas só pra mim, quando sei que muitos bangers estão atrás desse material.



LIVING DEATH


ATITUDE: Escolha cinco postagens de seu blog que você considera essenciais em qualquer coleção. Dê seus links para que os leitores possam baixá-los diretamente de seu blog.

ROGÉRIO: cinco só????? Putz....sei que vou me arrepender de não ter citado uma ou outra, mas as que me vem à cabeça agora são :- Dorsal Atlântica - Antes do Fim- Sodom - In the Sign of Evil- Living Death - Vengeance of Hell- Destruction - Infernal Overkill- Sacrilege - Behind The Realms of Madness QUANTO aos links, aos poucos estão sendo todos refeitos, então peço que entrem no blog (http://oldschoolbangersmarch.blogspot.com/) e se algum estiver inválido deixe um toque no chat do blog que eu reposto.


DORSAL ATLÂNTICA




ATITUDE: Como você analisa esse movimento mundial em favor da distribuição de músicas?

ROGÉRIO: Cara se entendi sua pergunta, você está se referindo aos famosos downloads. Esse é um assunto bastante delicado. Hoje se fala muito sobre isso, sobre os prejuízos a gravadoras, bandas, etc. Mas acredito que esse tipo de coisa sempre existiu. Nos anos 80, por exemplo, as gravações em fitas K7 eram uma constante. Teve até uma época que queriam proibir às vendas dessas fitas. O que difere hoje em dia é o fato da facilidade com que você consegue em ter acesso ao material de qualquer banda. Por outro lado, creio isso também obriga as gravadoras a elaborarem melhor seus lançamentos, trazendo um encarte descente (quantos CDs importados que eu tenho aqui que paguei os olhos da cara e nem um encarte com informações básicas sobre o play ele trás) e disponibilizando o play com um preço um pouco mais acessível. Outra coisa, é que o original, a qualidade de som é sempre muito melhor. Então acredito que seja mais ou menos assim... você baixa o play, e se curtir, vai atrás do original.
ATITUDE: Você já teve problemas com alguma postagem?

ROGÉRIO: Não, nunca tive. Somente tirando o fato dos links às vezes expirarem muito rápido e você sempre ter que estar refazendo ele. Isso realmente é um saco...rsrsrsrsrs.

ATITUDE: Das bandas atuais, qual você considera uma legítima representante da cena Thrash metal?

ROGÉRIO: Velho, muitas bandas hoje vêm fazendo um puta trampo resgatando as raízes do verdadeiro e único Metal, Citaria o Violator, o Devil on Earth, o Flagelador, o Farscape, o Apokaliptc Raids, o Guilhotina, só para citar algumas. Mas esse não é um fenômeno somente brasileiro. O lance é meio mundial. Acho grande esse resgate ao Metal old school. Na verdade, outro dia um camarada meu me disse uma coisa e eu achei correto seu ponto de vista. Ele disse que o lance, é meio que uma esfera... vai e volta. Tentam-se muitas alternativas, invenções, inovações, etc., mas sempre acaba voltando ao original. E isso é realmente grande. Afinal, a verdadeira essência do Metal, não é essa que vemos hoje, cheia de combinações, firulas, experimentos, etc. O Metal é um só! O estilo é único e assim deve ser. Sou retrógrado??? Parei no tempo??? Pode ser! Mas é o que eu curto e acredito!!



ATITUDE: Qual sua opinião sobre o trabalho desenvolvido pela Equipe Atitude?

ROGÉRIO: Paulão, seu trabalho é grande. Te conheci através do oldschoolbangersmarch, e de cara sabia que você era das antigas. Você é um verdadeiro batalhador da cena. Tantos anos dedicados a causa do underground, e isso é realmente grande. Sua humildade e camaradagem são dignas de todos os louvores possíveis. ATITUDE RULES!!!

ATITUDE: Deixe uma mensagem para a galera do Atitude Fanzine.

ROGÉRIO: Valeu pela oportunidade. Foi legal poder compartilhar um pouco das minhas idéias com os bangers seguidores do Atitude. Que a força e o espírito do Verdadeiro Metal queimem sempre em nossos corações. Banger abraço a todos!!!
Rogério Lucena!

ATITUDE ENTREVISTA ROGÉRIO LUCENA - O HOMEM DO OLDSCHOOLBANGERSMARCH


Saudações Rogério. Em nome da equipe atitude agradeço a sua disponibilidade para nos conceder essa entrevista. É muito importante divulgar toda ação underground realizada com seriedade e esse trabalho você faz com muita competência. Apesar de não nos conhecermos pessoalmente o considero um amigo e um irmão no Metal. Admiro muito seu blog e suas postagens, inclusive foi um dos incentivos para que eu criasse o ATITUDE UNDERGROUND.

Paulão, é uma satisfação e um orgulho estar presente nas páginas do Atitude, feito e idealizado por uma verdadeira lenda do Metal assim como você.
ATITUDE: Inicialmente gostaria que contasse um pouco da sua história e o Heavy Metal

ROGÉRIO: Cara, o começo de tudo pra mim veio com o Kiss em 1983, época em que eles estiveram por aqui. Ainda me lembro ainda garoto, vendo ao Fantástico, quando fizeram uma pequena reportagem sobre os shows dos caras por aqui. Vi aqueles malucos rolando no palco, com as faces pintadas....pensei..."que porra é essa???"...a princípio achei que fosse teatro ....hahahahaha...depois ouvindo o som, achei aquilo incrível, algo que nunca havia escutado antes. A partir daí fui procurar saber mais da banda, fui adquirindo reportagens, discos, fitas K7, essas coisas. A partir disso, aos poucos, fui sendo apresentado por amigos a outras bandas....Iron Maiden, Scorpions, AC/DC, Saxon, Ozzy Osbourne, etc. A paixão só aumentava, e junto com ela o fanatismo. Aí veio o Rock in Rio em 1985. Nesse momento eu já estava completamente envolvido com a cena. Foi quando passei a tomar conhecimento das bandas Thrash da época. Cara, aí a coisa fudeu mesmo. Bandas como Slayer, Sodom, Possessed, Kreator, Venom, Destruction, Hellhammer/ Celtic Frost, etc. E a coisa foi indo e perdura até os dias de hoje. É paixão mesmo, não tem jeito!
ATITUDE: Você é de Tatuí, interior de SP. Nos conte um pouco sobre o movimento em sua cidade

ROGÉRIO: Então, na verdade eu moro em Tatuí há seis anos. Mas sou de Santos, e morei bastante tempo em Itatinga (interior de SP), onde tenho ótimos amigos e bangers realmente fudidos. A cena aqui em Tatuí é bastante considerável. Por ser conhecida como a capital da música, há diversas bandas e muitos bangers pelas ruas. Mas, acredito que a cena não se difere muito da maioria das outras cidades do País. Os mesmos problemas, os mesmos agitos, aquela coisa de sempre. Mas, me considero um privilegiado, pois no meu convívio com os bangers que conheço aqui, os laços são bastante estreitos, ótimas amizades mesmo..


ATITUDE: Que fatos e bandas mais marcaram a cena headbanger 80 em sua opinião?Qual a principal diferença entre aquela época e a de hoje?

ROGÉRIO: Puta cara, seriam muitas bandas importantes para serem citadas todas aqui. Cada uma teve uma importância dentro da cena, seja para se iniciar um estilo, ou consolidar o movimento. Acredito que o Maiden, o próprio Kiss (muitos assim como eu começaram a curtir som com os caras), Black Sabbath/Ozzy Osbourne, Metallica, Slayer (para a firmação do Thrash), Venom, Hellhammer/Celtic Frost, Possessed, Sodom, Venom (definindo o lado mais obscuro do estilo). São muitas, não daria para citar todas aqui. Quanto às diferenças para aquela época e hoje, vejo muitas. Na época, creio que paixão era maior, talvez pelo fato dos movimentos estarem iniciando, das dificuldades em se adquirir material de alguma banda, os poucos meios de divulgação... era muito difícil para algum banger conseguir um vinil do Venom por exemplo. Só se conseguia por versões importadas e custavam os olhos da cara. O lance era gravar em fitas K7. E isso era muito legal, porque, quando algum banger amigo conseguia uma gravação do novo do Slayer, por exemplo, ia todo mundo na casa do cara ouvir o som munido de garrafões de vinho, ou qualquer outra bebida que as vaquinhas que fazíamos era possível comprar. E ali (geralmente no quarto do cara), o lugar virava um verdadeiro show. Todo mundo headbangeando feito louco, e a fitinha rodava diversas vezes...hahahahaha... Lá pelas tantas com todo mundo exausto. Geralmente o comentário era : "caralho que play fudidooooooooooo"...hahahahahahahahahaha...tempos bons aqueles....

ATITUDE: Como surgiu a idéia de montar o Oldschoolbangersmarch? Como tem sido a aceitação pela galera?

ROGÉRIO: Cara, a idéia surgiu da minha própria dificuldade em achar blogs voltados para o estilo e a minha vontade de compartilhar o material que possuo com outros bangers da velha guarda e outros mais novos que se interessam, ou, estão a fim de saber como tudo começou. Não sei quanto à aceitação, mas até hoje ninguém falou mal não... rsrsrsr. O lance, na verdade é valorizar o material do blog, sempre voltado a velha escola. Não me importo com a aparência do site e tal... valorizo sim as bandas, sejam elas clássicas ou não. Aquela época foi a mais frutífera e marcante de todos os tempos, e não seria justo ter uma lista tão grande de material guardadas só pra mim, quando sei que muitos bangers estão atrás desse material.



LIVING DEATH


ATITUDE: Escolha cinco postagens de seu blog que você considera essenciais em qualquer coleção. Dê seus links para que os leitores possam baixá-los diretamente de seu blog.

ROGÉRIO: cinco só????? Putz....sei que vou me arrepender de não ter citado uma ou outra, mas as que me vem à cabeça agora são :- Dorsal Atlântica - Antes do Fim- Sodom - In the Sign of Evil- Living Death - Vengeance of Hell- Destruction - Infernal Overkill- Sacrilege - Behind The Realms of Madness QUANTO aos links, aos poucos estão sendo todos refeitos, então peço que entrem no blog (http://oldschoolbangersmarch.blogspot.com/) e se algum estiver inválido deixe um toque no chat do blog que eu reposto.


DORSAL ATLÂNTICA




ATITUDE: Como você analisa esse movimento mundial em favor da distribuição de músicas?

ROGÉRIO: Cara se entendi sua pergunta, você está se referindo aos famosos downloads. Esse é um assunto bastante delicado. Hoje se fala muito sobre isso, sobre os prejuízos a gravadoras, bandas, etc. Mas acredito que esse tipo de coisa sempre existiu. Nos anos 80, por exemplo, as gravações em fitas K7 eram uma constante. Teve até uma época que queriam proibir às vendas dessas fitas. O que difere hoje em dia é o fato da facilidade com que você consegue em ter acesso ao material de qualquer banda. Por outro lado, creio isso também obriga as gravadoras a elaborarem melhor seus lançamentos, trazendo um encarte descente (quantos CDs importados que eu tenho aqui que paguei os olhos da cara e nem um encarte com informações básicas sobre o play ele trás) e disponibilizando o play com um preço um pouco mais acessível. Outra coisa, é que o original, a qualidade de som é sempre muito melhor. Então acredito que seja mais ou menos assim... você baixa o play, e se curtir, vai atrás do original.
ATITUDE: Você já teve problemas com alguma postagem?

ROGÉRIO: Não, nunca tive. Somente tirando o fato dos links às vezes expirarem muito rápido e você sempre ter que estar refazendo ele. Isso realmente é um saco...rsrsrsrsrs.

ATITUDE: Das bandas atuais, qual você considera uma legítima representante da cena Thrash metal?

ROGÉRIO: Velho, muitas bandas hoje vêm fazendo um puta trampo resgatando as raízes do verdadeiro e único Metal, Citaria o Violator, o Devil on Earth, o Flagelador, o Farscape, o Apokaliptc Raids, o Guilhotina, só para citar algumas. Mas esse não é um fenômeno somente brasileiro. O lance é meio mundial. Acho grande esse resgate ao Metal old school. Na verdade, outro dia um camarada meu me disse uma coisa e eu achei correto seu ponto de vista. Ele disse que o lance, é meio que uma esfera... vai e volta. Tentam-se muitas alternativas, invenções, inovações, etc., mas sempre acaba voltando ao original. E isso é realmente grande. Afinal, a verdadeira essência do Metal, não é essa que vemos hoje, cheia de combinações, firulas, experimentos, etc. O Metal é um só! O estilo é único e assim deve ser. Sou retrógrado??? Parei no tempo??? Pode ser! Mas é o que eu curto e acredito!!



ATITUDE: Qual sua opinião sobre o trabalho desenvolvido pela Equipe Atitude?

ROGÉRIO: Paulão, seu trabalho é grande. Te conheci através do oldschoolbangersmarch, e de cara sabia que você era das antigas. Você é um verdadeiro batalhador da cena. Tantos anos dedicados a causa do underground, e isso é realmente grande. Sua humildade e camaradagem são dignas de todos os louvores possíveis. ATITUDE RULES!!!

ATITUDE: Deixe uma mensagem para a galera do Atitude Fanzine.

ROGÉRIO: Valeu pela oportunidade. Foi legal poder compartilhar um pouco das minhas idéias com os bangers seguidores do Atitude. Que a força e o espírito do Verdadeiro Metal queimem sempre em nossos corações. Banger abraço a todos!!!
Rogério Lucena!

GIRO PELA AMÉRICA LATINA - EGIDA - KRISIS E LAND OF CHAOS


EGIDA -LIVE 2008

HEAVY/THRASH HONDURENHO



Senha: NecroThrash




DEATH/GRIND DE HONDURAS

FOTOS DA GALERA - PEDIDO DO ET





PAULAO MÁRIO PAPINHA E MARCASSA








FÚRIA






PUTREFAÇÃO

SANTUÁRIO E DICK MUTLEY




PAULÃO (DICK E MUTLEY)





GALERA - BOY





SHOW NA ASSOCIAÇÃO











GALERA EM PESO


MARCOS - ET - MARCASSA E PUTREFAÇÃO















PAULAO EM SP 1983




ACIMA: GALERA EM BARRETOS


MARCELO CABELO





DP










FÚRIA E DEATH ANGELS + VULCANO





ET E ROTTEN ASS


PERDIDOS EM BARRETOS DICK E MUTLEY









NEW YORK AGAINST THE BELZEBU






FOTOS DA GALERA DE BEBEDOURO E AMIGOS

CALIFORNIA METAL VOLUMES 1 E 2 - IRON CROSS - TYRA MYRA HEAVY METAL EM DOSE TRIPLA PARA A GALERA!

CALIFORNIA METAL VOLUME 1
http://www.mediafire.com/?onkzjxlik23
HEAVY METAL

BANDAS CONSTANTES NO CD
VISION - EMERALD - RECON - SOLDIER
JUDEA - MASTEDON - RANSOM
CALIFORNIA METAL VOLUME 2

IRON CROSS - CHURCH AND STATE (SPEED METAL 1987)

TERROR E TREMOR


navegando pela NET encontrei essa interessante entrevista. Vale a pena ler!
A POSTAGEM ORIGINAL ENCONTRA-SE NESSE LINKhttp://p.php.uol.com.br/tropico/html/index.shl




dossiê: CINEMA BRASILEIRO

Temor e tremor
Por Fábio Fujita



O diretor Kiko Goifman conta como realizou "FilmeFobia", misto de ficção e documentário, em que pessoas são confrontadas com seus medos. Tal como “Santiago”, de João Moreira Salles, e “Jogo de Cena”, de Eduardo Coutinho, “FilmeFobia”, o mais novo trabalho do diretor mineiro Kiko Goifman, 40 anos, leva ao limite a ambição de tornar nebulosas as fronteiras entre ficção e documentário.
Esta opção pelo hibridismo não passou impune e tem gerado sequelas curiosas, como a seleção do filme para um festival específico de documentários em Copenhagen (Dinamarca) –ainda que Goifman garanta tratar-se de uma ficção com tonalidades documentais. Mais do que isso, a produção também mexeu com as estribeiras conservadoras do último Festival de Brasília, onde, a despeito de ter saído com o prêmio Candango de melhor filme, dividiu o público entre aplausos e vaias.
A polêmica é compreensível. Na trama de “FilmeFobia”, um diretor interpretado pelo crítico Jean-Claude Bernardet realiza um documentário em que pessoas fóbicas são confrontadas com suas fobias. Para trabalhar esse jogo metalinguístico, Goifman utilizou fóbicos não-atores, atores e atores fóbicos. “A única pergunta que não respondo é sobre quais cenas são com fóbicos reais e quais não são”, antecipou-se, na entrevista a Trópico, na sede de sua produtora PaleoTV, em São Paulo.
Entre as fobias “devassadas” no filme, estão desde as mais recorrentes, como as de altura e de ratos, até as mais esdrúxulas, como as de anões e de pelos. Apesar de admitir que a imprevisibilidade das reações na filmagem era, de fato, um elemento que lhe interessava no projeto, Goifman faz questão de colocar tal opção em perspectiva. “Pode parecer que a filmagem tinha uma coisa meio ao deus-dará, de que a gente filmava qualquer coisa, e não foi isso de forma alguma”, diz Goifman, que também atua no filme –é fóbico de sangue.
Tendo dirigido anteriormente “33”, documentário em que empreende uma jornada investigativa em busca de sua mãe biológica, o cineasta refuta a idéia de que “FilmeFobia” possa extrapolar os interesses cinematográficos para se tornar um estudo da psique e do comportamento humanos. “Nunca tive essa pretensão”, garante.Até porque há muito humor, ainda que negro, em “FilmeFobia”. A estética adotada, classificada como “expressionista” pelo próprio diretor, foi fruto da direção artística assinada por Cris Bierrenbach, artista plástica estreante em cinema. Somada ao uso de traquitanas –engrenagens que potencializam a experiência dos fóbicos ante seus objetos de ojeriza–, pode-se ler em “FilmeFobia” uma espécie de homenagem sarcástica aos filmes de terror ao estilo “Jogos Mortais”. A estréia em circuito está prevista para o primeiro semestre.Como você mesmo já definiu, “33” era um documentário com elementos de ficção, enquanto “FilmeFobia” é uma ficção com elementos de documentário. Era uma ambição sua estabelecer esse “diálogo conceitual” com seu trabalho anterior?

Kiko Goifman: Acho que sim. Talvez o primeiro diálogo em que percebi relação entre este projeto e o “33” foi lá no começo, conversando com o Jean-Claude (Bernardet), na casa dele. Falei que estava com vontade de fazer um filme de ficção. Sobre os meus documentários, cada vez mais eu ouvia a famosa frase: “Ah, mas isso não é um documentário, é um filme de ficção” e tal.Então falei: “Agora vou fazer um filme de ficção para pararem de me encher o saco”. Aí o Jean-Claude, para me provocar, falou: “Mas ‘33’ é um filme de ficção”. Eu não concordo. Mas obviamente que eu respeito demais o que ele pensa. Existem muitos elementos do “33” em “FilmeFobia”. Talvez um deles seja um conceito que o Jean-Claude vem trabalhando, que é a idéia de “autoficção”, em que você parte de alguns elementos reais –no caso de “33”, eu partia de um dado real, que era o de ser filho adotivo.Eu me afasto muito da idéia de que “33” seja um “documentário autobiográfico”. Para mim não é. Porque tudo o que eu tinha de material relacionado à minha infância foi para o lixo. Entrevistei minha tia, que dizia: “Ah, você era um menino bonitinho, gordinho, não sei o quê”. Quem assiste a “33” não sabe como foi minha infância, como foi minha adolescência, como virei adulto, qual é a minha trajetória. É um Kiko construído de acordo com alguns parâmetros que eu mantinha, se me interessava ou não. E acho que essa forma de trabalho tem no “FilmeFobia”.
Então o Jean-Claude sempre participou do projeto, desde o começo?
Goifman: É. Ele não participou do roteiro, não chegou nem a ler. Mas ele participou exatamente do começo. Foi superengraçado: na primeira vez, a gente chegou na casa do Jean-Claude, eu e Hilton (Lacerda, roteirista), para apresentar a ele o que seria a idéia do “FilmeFobia”. Num primeiro momento, era um filme que... vou usar uma expressão estranha: era um filme mais “clássico”. Que desenvolvia cinco situações diferentes de pessoas que estavam tendo problemas com fobia. O Jean-Claude nos ouvia pacientemente. Mas olhou e falou: “Que merda que está isso! Que coisa pouco instigante!”.
E, naquele momento, sugeriu: “Pense em algumas coisas que são interessantes, inclusive do seu próprio trabalho de documentário, a questão do acaso, como em '33', a questão da busca sem saber o que vem pela frente. Tem uma série de elementos que podem ser interessantes e, de repente, você está abandonando isso para fazer uma ficção como qualquer outra”.Ele deu essa provocação. Eu e Hilton concordamos. Pensamos e chegamos a um novo argumento. Falamos com ele sobre esse novo argumento, que é bem próximo do que é o filme agora, e aí ele leu, gostou e, na sequência, achei que ele poderia ser o personagem principal. Fiz o convite e ele topou.
No filme, o personagem dele diz que “só um fóbico diante de sua fobia é uma imagem real”. Isso era algo pensado para o roteiro, para o personagem, ou a proposta do filme é de sustentar essa premissa?
Goifman: 100% do roteiro. Essa tese que motiva o filme já estava desde o argumento. É uma premissa com a qual eu não concordo, Jean-Claude não concorda, Hilton não concorda. Mas a gente a considera uma premissa bonita. Ela teria alguma coisa sustentável, foi construída a partir daquela idéia de (Roland) Barthes, de que, quando alguém aponta uma câmera fotográfica para mim –conceito relacionado à morte, à fotografia como morte–, eu já começo a posar. Então, nunca se poderia capturar uma imagem autêntica.
Por que a fobia poderia? Porque uma pessoa fóbica diante de sua fobia tem gestos erráticos, se descontrola, começa a suar. Tem reações que não são controladas. Então a gente começou a achar que essa premissa era crível. Ou que um personagem se motivasse, fazendo experimentos por conta dessa premissa que todos nós achamos uma bobagem.Você citou Barthes, e tem também Jean Rouch, cujo cinema era baseado no uso de elementos fictícios para se chegar ao que ele considerava “mais autêntico”. Em “FilmeFobia”, seu personagem pergunta a Jean-Claude se um fóbico falso pode criar uma imagem verdadeira. Então me ocorreu a questão da escalação de atores fóbicos: você conseguiu extrair deles representação?
Goifman: Com relação à idéia de Jean Rouch, eu concordo. Para mim, Jean Rouch é o documentarista mais interessante nesse sentido, nesse namoro com a ficção e na execução disso, em obras fortes, que trazem esses elementos e que ficam intrincados.Os atores fóbicos são quase uma metáfora do filme. Quando eu estava com os fóbicos reais, eu explicava tudo o que iria acontecer. Eu tinha sempre um enfermeiro em cena e um acordo que funcionava assim: se o fóbico falasse o próprio nome, significava que era para parar (a filmagem), porque não estava sendo legal para ele.Vou te dar alguns exemplos. Tinha o fóbico de anão e borboletas. Ele sabia que viria um anão (para cima dele), e que esse anão estaria nu; sabia que haveria (contato com) borboletas verdadeiras, mas mortas. Ou seja, sabia o que iria acontecer (na cena). Não tinha nenhum tipo de “pegadinha” com os fóbicos reais.Com os atores, eu fazia uma descrição genérica da cena. Obviamente que, se a pessoa fosse ser amarrada ou exposta à nudez, ela sabia disso. Mas não existia um contato físico (prévio) das pessoas com as traquitanas. Com os atores mesmo, eu pedia a reação, falava que tipo de reação eu queria. Se mais controlada, exagerada, se pânico ou choro.A partir disso, a gente conversava muito. Eu não fazia exatamente o ensaio no local. Isso gerava um problema imenso para a direção de arte. Porque a gente tinha medidas dos atores de tudo: do tamanho do pulso à falange, para que as traquitanas funcionassem, não quebrassem, fossem seguras.Tivemos zero acidente na produção. E queríamos tentar manter um certo vigor da primeira experiência do fóbico com a máquina. No caso dos atores fóbicos, eu conversava com eles como fóbicos. Explicava para eles que se na cena não se desencadeasse a fobia deles, que eles começassem a atuar. E uma atuação próxima do que seria a fobia deles. Isso embaralhava de uma forma tal a construção, que não tem como eu estar 100% seguro em saber se eles interpretaram ou se tiveram reações reais.
Você disse que não trabalhou com ensaios. A questão da imprevisibilidade era um dos elementos que te interessavam?
Goifman: É. Tentei muita improvisação, mas tem principalmente uma coisa que me incomoda na ficção, que vem num crescente: quando você tem equipes pesadas demais, cada vez menos o set se transforma num lugar em que algo inesperado possa ser bem-vindo. Porque você tem um problema de administração de custos. Principalmente depois de “33”, sempre gostei muito de incorporar elementos de acaso dentro do documentário e de ter que resolver algumas questões que surgiam ali na hora. Não adianta também você virar e dizer que agora quer o improviso, sem propiciar que isso aconteça. Eu queria muito que essa possibilidade do acaso, que acho que é bastante cara no documentário, pudesse ter na ficção.Em alguns momentos, tentei improvisações que ficaram horríveis e acabaram completamente fora do material. Mas algumas fizeram bastante sentido. Por exemplo, o Vitor Angelo, que é o fóbico de palhaços, foi instruído a provocar Jean-Claude. E Jean-Claude foi instruído para retrucá-lo com veemência. Enquanto que em outras (situações) ele era instruído para ficar triste, ou para ficar mais amável com o fóbico.Mas isso às vezes me preocupa um pouco, quando se fala de acaso e improviso, de parecer que o filme tinha uma coisa meio ao deus-dará; de que a gente filmava qualquer coisa, e não era isso de forma alguma.O interessante é que, quando a gente viu na montagem, milhares de coisas estavam como previstas no roteiro, como a abertura com o anão, que era algo que já existia no primeiro tratamento do roteiro; do primeiro momento em que só aparecem os fóbicos vivenciando as fobias até a chegada da equipe, tudo isso foi mantido ipsis literis.
Você falou que não houve acidente na filmagem. Mas teve algum tipo de imprevisto, em que a coisa ameaçou sair do controle?
Goifman: Sempre. Lembro que no segundo dia, pela manhã, filmei fobia de ratos, e logo no primeiro momento da tarde, filmei a fobia de cobras. O que deixou as cobras completamente excitadas, porque a casa tinha cheiro de rato o tempo todo.O fóbico de altura, quando ele é suspenso, criava uma supertensão, por causa dos guindastes, que subiam 17 metros. Essas situações geravam uma ansiedade e um comportamento quase religiosos no set, para que desse tudo muito certo, tecnicamente, para que a cena com ator desse certo, para que tudo ficasse bem com o fóbico e todas as nossas traquitanas conseguissem, por exemplo, que algo não despencasse quando alguém tivesse alguma reação ultraviolenta.No site (oficial do filme) tem um diário de filmagem, feito pelo Hilton Lacerda. É um diário de filmagem completamente mentiroso. Isso provocava muitas reações, muitas críticas, o Jean-Claude era xingado de sádico. E todo dia a gente ligava para o Jean-Claude e dizia: “Olha, está chegando esse tipo de comentário, de que você é sádico, é filho da puta, você vai continuar bancando?”. E ele: “Pode deixar, vou continuar bancando”.Lendo aquilo, você tem uma visão de que o set era um campo de guerra. Mas dei total liberdade para o Hilton escrever o diário como ele quisesse. Assim que passava uma fobia, ele colocava. O site também foi uma forma de se chegar aos fóbicos. A gente pedia relatos de fobia, numa parceria com o UOL, e o UOL dava uma bombada na capa, chegava um monte de relato, e esses relatos eram interessantíssimos. Algumas fobias chegaram a entrar no filme nesse contato com a internet, e mesmo alguns fóbicos chegaram a partir da internet.
Além da questão do recrutamento, como foi o processo para se convencer as pessoas fóbicas a se confrontarem com suas fobias?
Goifman: O recrutamento teve duas vias. Teve esse dado da internet, em que não só pessoas fóbicas, que eu não conhecia, mandavam e-mails, mas às vezes amigos fóbicos, que acabaram participando do filme, também. E uma outra forma foi a metodologia simples “bola de neve”. Eu comecei a falar sobre o assunto aqui (na produtora), e um rapaz que trabalha comigo disse: “Pô, tenho amigo que tem fobia de anão e borboleta”. E aí eu respondi: “Tenho que falar com esse cara”.Chegamos a um número considerável de fóbicos, mas antes de falar sobre o modo como os convenci, tem um detalhe. Há um momento no filme em que o Caio (fóbico de anão e borboleta) fala olhando para a frente, apoiado numa máquina que é tipo um detector de mentira, bem picareta. Eu usei tanto com atores quanto com fóbicos, conversava com eles usando esse detector de mentiras. Preferi não fazer um teste de interpretação.Nesse momento eu fiz um descarte muito grande de atores expressionistas demais. Essa foi uma preocupação que tive, porque, como o filme já tem uma luz expressionista, de sombras, eu queria juntar um pouco desse expressionismo da luz com uma atuação na maior parte das vezes naturalista dos atores. E, com as traquitanas, as cenas em alguns momentos chegam a ser até surreais.Sobre como convencer foi muito simples. Eu falava o que era. E também, obviamente, a produção entrava em contato com algumas pessoas antes, e aí as pessoas que topavam vir conversar já estavam predispostas ao filme. Claro que houve pessoas que disseram: “Não faço isso de jeito nenhum”. Essas já eram descartadas pela produção.
Desistência durante o processo não houve?
Goifman: Teve uma pessoa que, durante o processo, teve que gritar o próprio nome. Mas não foi nada grave demais, ficou só com pressão baixa. Mas acho que existe uma discussão que a gente incorporou no próprio filme, que tem a ver com esse processo de convencimento. Por que as pessoas topam? Ouvi respostas das mais loucas. Uma era assim: "Fobia sempre foi um problema na minha vida, seria o momento para transformar essa merda em alguma coisa”.
Exorcizar a fobia?
Goifman: Transformar em alguma coisa útil. Outra, bastante comum, era isso: exorcizar. “Se eu falo, eu compartilho. Se eu compartilho, é bom para mim”. É uma coisa que tem a ver também com “33”, no sentido de assuntos-tabus. A fobia normalmente é uma coisa que a gente esconde. Revela certa fragilidade. Falar de sua fobia é, de alguma forma, o seu calcanhar de Aquiles. Outras pessoas talvez tenham participado pelo desejo de estar num filme. Do tipo “meu desejo de participar de um filme é maior do que a minha fobia”.
Houve alguma fobia que te interessava, mas que você não conseguiu incluir?
Goifman: Acho que não. Algumas fobias eu optei por não filmar como fobias. Mas existem situações fóbicas que estão ali presentes. Por exemplo: a própria abertura com o mar é uma fobia relativamente comum, a fobia de mar. Só que eu não quis filmar, porque eu gosto de passar 90% do tempo ali dentro naquela casa (cenário principal do filme).Teve uma fobia que a gente filmou no exterior durante o dia, a fobia de cachorro. Só que, aí, quando a gente viu o material, estava muito diferente daquela dimensão mais escura, claustrofóbica do restante do filme. Então ela não entrou. Mas chegou a ser filmada.Por isso eu tinha os atores também. Eu tinha a possibilidade de trabalhar máquinas alucinadas, que eventualmente poderiam causar situações de fobia. Houve algumas experiências pelo caminho que foram perdendo impacto. Eu queria fobia de raios, trovões, relâmpagos. Mas aí, tecnicamente, comecei a não gostar das saídas que a gente teria que usar.Tinha uma coisa que eu evitei nas fobias, que era, por exemplo, utilizar projeção de imagens, de a pessoa ficar vendo imagens pelo projetor. Queria muito mais as traquitanas. Porque, se colocássemos as pessoas diante de um projetor e vendo qualquer tipo de imagem, poderíamos chegar a qualquer tipo de fobia. Achava que era um caminho pouco instigante.
Como é que uma pessoa pode ter fobia de ser enterrada viva? Ela nunca passou por uma experiência assim.
Goifman: Mas ela tem fobia de coisas relacionadas à morte. O enterrado vivo seria um ponto máximo. A fobia de elementos relacionados a morte é uma fobia recorrente. Temos relatos disso, que chegaram pela internet, e também relatos clínicos, que a gente leu bastante.
Você considera que, no saldo geral dessa experiência, ter realizado “FilmeFobia” extrapolou seus interesses cinematográficos, já que o filme não deixa de ser um estudo da psique?
Goifman: Não. Nunca tive essa pretensão. Eu acho que ele pode ser visto desta forma. Acho que ele pode ser um ponto de partida, por exemplo, para psicólogos, psicanalistas discutirem. Mas tal qual está lá, acho que não. Porque tem muita ironia, muita sacanagem. Nunca tive a pretensão de abordar a fobia a partir de um outro ponto de vista, psicanalítico. Se por acaso alguns psicanalistas ou psiquiatras pegarem o filme e aquilo servir de ponto de partida para eles chegarem a algum tipo de conclusão, acho interessante. Mas não que isso esteja contido no “FilmeFobia”.
Que leitura você fez das vaias no Festival de Brasília: uma incompreensão pela proposta do filme? Ou tem mais a ver com uma possível idéia de sensacionalismo, de “exploração masoquista”, como diz um dos personagens?
Goifman: Eu reagi muito bem às vaias. Até porque teve um superdimensionamento disso. No ano anterior, quando o Bressane ganhou em Brasília, ele tomou uma vaia considerável por “Cleópatra”. Qualquer matéria que você pegar sobre o “Cleópatra” ter vencido Brasília fala das vaias, do público participativo de Brasília. Não tem uma matéria que não fale das vaias.O público não é uma entidade, mas eu senti que, muito mais do que em qualquer outro ano, o público de Brasília assumiu uma coisa de “overparticipação”. Isso eu ouvi inclusive de pessoas do festival. Como as vaias ficaram mais importantes do que a premiação, eu sinto que o público de Brasília estava com um desejo de se manifestar durante a projeção.Vaiaram curtas excelentes. Em um dos curtas, que eu tinha achado maravilhoso, uma parte das pessoas nem tinha visto o filme e vaiou. Por outro lado, acho excelente. Felizmente a gente vive numa democracia. Felizmente as pessoas podem vaiar. Uma parte muito maior aplaudiu.
Até do ponto de vista artístico, também há um fascínio nisso, não? Melhor a vaia do que a indiferença.
Goifman: Claro. A indiferença me preocupava. Tentando imaginar porque algumas pessoas vaiaram, eu li alguns blogs que escreveram sobre o festival. Tem alguns que são elogiosos, outros que são bem críticos. Entre estes que são críticos teve o de uma mulher que falou que só conseguiu assistir dez minutos do filme, porque na sequência dos ratos, ela foi embora por ter fobia de ratos. E que o filme era um absurdo e tal. Provavelmente ela vaiou, tendo assistido a só dez minutos de filme. São tantos os motivos... Pode ter havido uma galera que tenha ficado chocada, que achou que era uma exploração sensacionalista disso. Acho ótimo que tenha gente que pense assim.Acho que pode ter tido gente que achou o filme lento, sem ação. Outros podem ter pensado, até dentro do contexto de Brasília: “Cadê o elemento social desse filme? Onde está?”. Porque foi um festival com uma força de documentários, e alguns deles tratando de questões sociais importantes.Foi um conjunto de coisas que levou a ter vaias. Imagino que quem ganhar Brasília no ano que vem vá receber vaias, independentemente de quem for. Acho normal. Cada um reage de uma forma. No meu caso, talvez até pelas vaias não terem sido tão grandes, preferi achar que foram legais. Não vou fazer filmes unanimemente aclamados. Não é minha praia, “33” não foi, os curtas não são. Fico tranquilo quanto a isso.
Sei que você é um entusiasta das DVCams até porque, sem elas, o projeto de “33”, por exemplo, não existiria. Você acredita, se não no fim, mas numa certa superação da película?
Goifman: O digital traz um papel fundamental para o cinema hoje, eu sinto que sim. E mesmo as pessoas que filmam em 35mm hoje em dia, 100% delas monta a partir de algum dispositivo digital. A montagem na moviola realmente não faz mais sentido. Mesmo montadores clássicos montam, hoje, a partir de sistemas digitais.A gente pensa na câmera, mas essa pós-produção também é muito importante. O digital, para mim, tem várias possibilidades. Uma delas é a redução de equipe, o que acho saudável para o tipo de cinema que faço. Porque tem essa possibilidade de incorporar acasos e ter uma equipe mais leve. Toda finalização para 35mm ainda é bastante cara. Essa eu acho que tende a acabar.Há a tendência das salas digitais, e os exibidores, é óbvio, ainda têm medo de investir em equipamentos digitais. Uma câmera 35mm dura 30 anos. Na hora em que você compra seu projetor digital, já tem um melhor e mais barato. Essa transformação da exibição está sendo um pouco lenta também por medo disso. Mas cada vez mais os festivais estão se abrindo para formatos digitais, Brasília é uma exceção. Você já tem curtas digitais em Brasília, mas não tem longa em digital. Os editais de produção também já incorporaram a possibilidade de filmar em digital, e em algum momento vão incorporar a possibilidade de exibir em digital. É um caminho meio natural.Sobre questão do fim ou não da película, fico tão pouco à vontade para falar porque sinto que é briga de indústria. Sinto que toda essa discussão envolve algumas megaempresas. O digital traz milhares de possibilidades. Acho difícil eu filmar hoje em 35mm ou 16mm. O último trabalho que a gente filmou em 16mm era um plano-sequência, bem curto, que foi o “Morte Densa”, um documentário de média-metragem em que quis fazer as imagens em Super 16.Por mais que eu seja um entusiasta do digital, eu não sou entusiasta de uma certa idéia que se tem por aí, de que só com digital se fazem coisas. Você vê um filme de Dziga Vertov, feito na década de 20, com uma supermontagem, ou mesmo filmes de Jean Rouch, feitos em cinema, com câmeras pequenas, e descobre que já havia essas possibilidades. Não sei o quão democrático é. Mas que é mais acessível, sim.
O documentarismo brasileiro vive uma fase muito boa. Ao mesmo tempo, você parece ser uma “mancha”, tendo desenvolvido uma carreira muito própria, peculiar. É uma impressão correta?
Como você se posiciona nesse meio, até em relação à distribuição dos filmes?
Goifman: Primeiro: eu partilho da idéia de que o documentário vive um bom momento, e esse momento já tem até uma história de há alguns anos, em filmes como “O Prisioneiro da Grade de Ferro” e vários outros. Inclusive, é muito comum ver, em festivais fora do país, mostras de documentários brasileiros. Costumava-se falar que, ao lado do boom... “boom” não, porque essa palavra eu odeio. Ao lado da força do cinema de ficção argentino, você tinha por outro lado uma força do documentário brasileiro, com esporádicos bons filmes de ficção brasileiros.Tem um número grande de coisas acontecendo na área de documentários. Isso é visto muito lá fora. Esse culto que a gente tem pelo Oscar, à representatividade disso, é perigoso. Filme brasileiro que não entra na disputa ao Oscar dá matéria grande, e de um filme brasileiro que acabou de ganhar um prêmio na Europa não se fala absolutamente nada.Os principais festivais europeus, desde Berlim, Veneza e Cannes, passando por Roterdã, Locarno, San Sebastián, todos eles sempre trazem filmes brasileiros, e normalmente com documentários no meio. Falei que não gosto do termo “boom” porque parece que foi uma coisa que veio, explodiu e vai embora. A lambada viveu um “boom”... O documentário vai ficar, e a gente tem uma tradição de documentário, não nasceu do nada. Agora, o meu lugar nessa história, eu não sei...
Porque o “33” foi lançado num esquema bem independente, não?
Goifman: Sim. Mas eu não sei o quanto gosto disso. “33” foi lançado num esquemão assim até por uma urgência de grana que a gente tinha. Entrou em três salas. Foi uma loucura, porque lançamos com três cópias. Entramos em São Paulo e, na segunda semana, já tínhamos que tirar de uma sala, porque havíamos combinado de lançar em Belo Horizonte.
“FilmeFobia” também vai ser assim?
Goifman: Não. No “FilmeFobia”, teremos distribuidor. Existe uma coisa, que o Jean-Claude falou outro dia num debate, de que ele sente falta que existam no Brasil distribuidores capazes de ver um filme como “FilmeFobia”, que tentem entender o tamanho dele. Filmes que, se tivessem um tipo de investimento inteligente, talvez maior do que o aspecto financeiro, pudessem trabalhar uma política na contramão do primeiro fim de semana do público.O que arrebenta, não só os meus filmes, mas uma boa parte desses documentários ou mesmo ficções de baixo orçamento no Brasil, é essa questão do primeiro fim de semana. Porque eles (os lançamentos tradicionais) vêm a partir de uma propaganda maciça, de milhões. Enquanto que o velho boca-a-boca demanda tempo.“33”, hoje em dia, tem uma saída de DVD muito legal, participa de coisas das quais eu achava que seria acusado. Você tem seminários de adoção no Brasil inteiro que usam (o filme), se interessam, pais adotivos querem... Adoção é um fenômeno no Brasil. É uma coisa que não se fala, mas há uma grande quantidade de filhos adotivos. Todo mundo conhece alguém, ou é, ou tem parente adotivo. Isso mantém “33” vivo ainda.Até pelo que o Jean-Claude falou, talvez faça falta um tipo de distribuidor que tente entender qual o tamanho desse filme, o número de cópias, que diga: “Ah, não vamos entrar com 20 cópias, vamos entrar com menos, mas que sejam cópias pensadas para lugares estratégicos”. A partir, por exemplo, do que falei, de uma ação de internet, de percepção de que tipo de comunidade pode se interessar por aquele filme.Aí eu me sinto bem igual a todo mundo, talvez um ou outro tenha mais dinheiro para fazer um lançamento maior. Eu acho, do fundo do coração, que meus filmes têm um público. E que talvez a gente precise –não só eu, mas os produtores– entender como chegar a esse público com os distribuidores.
Falta diálogo com eles?
Goifman: Tenho recebido contatos recentes, até de pessoas interessadas em distribuir o filme. O que eu acho é que faltava, num certo momento, um olhar com atenção para esse tipo de filme: se ele tem uma linguagem diferente, se é um documentário, que tipo de público pode se interessar por ele. Acho que falta um pouco essa reflexão. Mas estou sentindo que tem uma galera, de pequenos distribuidores, que está começando a pensar nisso.Se esse pequeno distribuidor ganha um edital da Petrobrás de R$ 400 mil para fazer a distribuição, o que para um filme pequeno é bem bacana, ele não vai fazer 50 cópias. Porque se ele faz 50 cópias do filme, ele já gastou mais da metade do dinheiro em cópias. Então tem pessoas que estão começando a pensar nisso. Aspiração de um superpúblico eu não tenho. Adoraria ter. Mas acho um pouco distante do tipo de cinema que faço.
Publicado
em 9/2/2009.
Fábio FujitaÉ jornalista.
http://p.php.uol.com.br/tropico/html/textos/3055,3.shl

DORSAL ATLÂNTICA - SEARCHING FOT THE LIGHT (1990) - BELTANE - THE WHEEL OF SABBATHS (2006) - CALIBRE 38 - SAME (1988) HEAVY METAL BRASILEIRO



DORSAL ATLÂNTICA - SEARCHING FOR THE LIGHT

ATITUDE UNDERGROUND - ESPECIAL HARDCORE COLLECTION - SELEÇÃO PAULÃO


8 CONTROL
25 TA LIFE
100 DEMONS
AKIMBO
ANGEL CREW
APOCALYPSE NOW
ARKANGEL
ARNOCORPS
BARCODE
BLOODSHOT
CHAOS THEORY
CONVERGE
DES MAFIOS
EMBRACED BY HATRED
FINAL PRAYER
HATEBREED
IN BLOOD WE TRUST
HARDCORE
ATITUDE UNDERGROUND

BRASIL: ETERNO ILHA DAS FLORES - PROF. PAULÃO


Analisando o processo histórico de nosso país percebemos que as raízes da desigualdade social são fortes e ganham corpo a cada momento. Crescimento econômico não significa e nem significará melhoria das condições de vida daquelas camadas sociais que estão à margem do poder do capital.
Nos anos 80 era comum dizer que o Brasil era uma Belíndia, uma mistura de Bélgica com a Índia, hoje a situação está ainda pior, muitos brasileiros estão no mesmo patamar de pobreza dos mais carentes do Haiti ou Ruanda, países arrasados por governos corruptos ou guerras. É urgente a necessidade de que o povo se conscientize e passe a lutar não por migalhas, mas sim por mudanças nas estruturas do país. Não dá para continuar passando esse documentário produzido nos anos 80 para analisar o nosso presente.

MUDANÇAS JÁ!
PROF. PAULÃO



ESSE É UM VÍDEO MUITO CONHECIDO.

ILHA DAS FLORES



DADOS E HISTÓRIA

A Desigualdade Social no Brasil

Desde os primórdios do processo de desenvolvimento brasileiro, o crescimento econômico tem gerado condições extremas de desigualdades espaciais e sociais, que se manifestam entre regiões, estados, meio rural e o meio urbano, entre centro e periferia e entre as raças. Essa disparidade econômica se reflete especialmente sobre a qualidade de vida da população: expectativa de vida, mortalidade infantil e analfabetismo, dentre outros aspectos.
Em anos mais recentes, a desigualdade de renda no Brasil pode ser atribuída a fatores estruturais sócio-econômicos, como a elevada concentração da riqueza mobiliária e imobiliária agravada pelo declínio dos salários reais e à persistência dos altos juros. A crise energética do País, anunciada em no mês de maio passado, juntamente com os riscos de contágio da crise Argentina, afetam negativamente o potencial produtivo brasileiro e reduzem a entrada investimentos externos , limitando ainda mais, as chances de geração e de distribuição de emprego e renda no Brasil. A desigualdade se tornou a marca maior da sociedade brasileira.
O relatório 2001 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) sobre o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de 162 países, referente a 1988/99 - período em que ocorreram recessões no Brasil, apontou que o País passou da 74a posição no ranking mundial, em 1988, para o 69o lugar. Mesmo assim, o Brasil continuou atrás de seus principais vizinhos sul-americanos: Argentina (34a) e Uruguai (37a). De acordo com o relatório, as mudanças nos indicadores de melhoria de vida da população brasileira não têm mudado de forma significativa, tendendo para a estabilidade. Por exemplo, em 2000, as políticas sociais do País consumiam 23% do orçamento federal, sendo que pouco desse total chegava efetivamente aos mais pobres. O relatório indica que, enquanto 9% da população vive com menos de US$ 1 por dia, 46,7% da renda nacional está concentrada nas mãos de apenas 10% da população. A expectativa de vida do brasileiro permaneceu praticamente inalterada desde o último relatório, indicando a média de 67,2 anos de vida para a população.
Para entender a origem de tais disparidades no Brasil é necessário introduzir uma perspectiva mais ampla, abrangendo o passado histórico, sem desconsiderar as dimensões continentais do país. Podemos começar a explicar isso pelo fator mais evidente: a escravidão, que é o paroxismo da exclusão: o Brasil importou o maior número de escravos da África dentre todas as colônias no Novo Mundo e, como Cuba, foi um dos últimos países a libertá-los (em 1888). Mesmo considerando-se os movimentos ascendentes na escala social - os imigrantes são um exemplo eloqüente disso -, a grande massa não teve condições de impor às elites uma distribuição menos desigual dos ganhos do trabalho. Nem logrou, eficazmente, exigir do Estado o cumprimento de seus objetivos básicos, entre os quais se inclui, na primeira linha, a educação. As seqüelas desse feito representam imenso obstáculo para uma repartição menos iníqua da riqueza e perduram até hoje.
A experiência brasileira é rica em programas e projetos para atenuar as desigualdades regionais e sociais. Mesmo que a maioria delas não tenham obtido os resultados esperados, há exemplos de políticas sociais que estão tendo impacto favorável: o salário mínimo, a aposentadoria rural, a bolsa-escola, a renda mínima e a reforma agrária. No entanto, essas iniciativas não tem sido suficientes para resolver os problemas das desigualdades no Brasil.
O presente documento tem como objetivo descrever a experiência de desigualdade regional e social brasileira, tendo o Nordeste como estudo de caso, apontando possíveis sugestões para o desenvolvimento de políticas que possam ser adotadas para a atenuação das disparidades nacionais.




PENSE!


O Brasil é o oitavo país em desigualdade social, na frente apenas da latino-americana Guatemala, e dos africanos Suazilândia, República Centro-Africana, Serra Leoa, Botsuana, Lesoto e Namíbia, segundo o coeficiente de Gini, parâmetro internacionalmente usado para medir a concentração de renda.O coeficiente de Gini varia de zero a 1,00. Zero significaria, hipoteticamente, que todos os indivíduos teriam a mesma renda e 1,00, mostraria que apenas um indivíduo teria toda a renda de uma sociedade.O índice brasileiro foi de 0,593 em 2003, segundo o relatório do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) sobre o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) em 177 países.De acordo com o documento, no Brasil 46,9% da renda nacional concentram-se nas mãos dos 10% mais ricos. Já os 10% mais pobres ficam com apenas 0,7% da renda. Na Guatemala, por exemplo, os 10% mais ricos ficam com 48,3% da renda nacional, enquanto na Namíbia, o país com o pior coeficiente de desigualdade, os 10% mais ricos ficam com 64,5% da renda.EconomiaO documento destaca ainda que a desigualdade social pode travar a expansão econômica e tornar mais difícil que os pobres sejam beneficiados pelo crescimento. "Altos níveis de desigualdade de renda são ruins para o crescimento e enfraquecem a taxa em que o crescimento se converte em redução de pobreza: eles reduzem o tamanho do bolo econômico e o tamanho da fatia abocanhada pelos pobres", diz o relatório.Ao alertar para a gravidade das diferenças sociais no mundo, o representante do PNUD, Ricardo Fuentes, afirmou que em uma hora cerca de 1,2 mil crianças morrem no mundo, o que equivale a três tsunamis por mês. "As desigualdades limitam o avanço das metas [objetivos do milênio, traçados para 2015], disse.Segundo ele, os progressos não tem sido suficientes, e o relatório do PNUD servirá como um alerta para a Assembléia Geral das Nações Unidas marcada para este mês. "Vai chamar a atenção dos chefes de Estado para estes que são problemas do mundo", disse.Segundo ele, a "extrema desigualdade" limita até mesmo a legitimidade política de alguns governos, e deve ser objeto de políticas públicas específicas.SimulaçãoUma simulação do PNUD revela que o Brasil cairia 52 posições no ranking do IDH caso o índice fosse calculado com base na renda dos 20% mais pobres e não no PIB (Produto Interno Bruto) per capita. O país passaria, então da 63ª colocação para o 115º lugar entre os 177 países avaliados. Esse resultado seria obtido mudando somente a variável renda, sem alterar os indicadores de educação e longevidade.O estudo revela ainda que a transferência de 5% da renda dos 20% mais ricos do país para os mais pobres seria capaz de retirar 26 milhões de pessoas da linha da pobreza e reduzir a taxa de pobreza de 22% para 7%.Na avaliação do PNUD, segundo o relatório, para que as "Metas do Milênio" sejam atingidas é preciso uma ampliação substancial da qualidade e quantidade de ajuda ao desenvolvimento, além de bases mais justas para o comércio internacional e a redução de conflitos violentos entre os povos.Entre as chamadas "Metas do Milênio", estão a de reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, tanto a porcentagem de pessoas cujo rendimento é inferior a US$ 1 por dia quanto o percentual da população que sofre de fome. Também fixa a meta de reduzir o índice de mortalidade de crianças com menos de cinco anos em dois terços e o índice de mortalidade de mães, em três quartos até 2015.

HÁ MUITA COISA A ESCLARECER: PRECISAMOS SABER DE FATO O QUE OCORREU NO ESCÂNDALO DO MENSALÃO.


28/02/2009 - 02h31
Justiça manda penhorar casa de José Dirceu para pagar dívida


RICARDO FELTRIN

Secretário de Redação da Folha Online

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a penhora de imóvel do ex-deputado e ex-ministro José Dirceu por causa de uma dívida judicial. Dirceu foi condenado, em segunda instância, a pagar custas processuais de ação popular que moveu -e perdeu- contra o governo Quércia (1987-1990).


Justiça manda penhorar casa de Dirceu para pagar custa de ação contra governo Quércia
Com o fim da ação, o ex-ministro da Casa Civil foi condenado a arcar com os honorários de um perito contratado no caso. Em valores atualizados, Dirceu deve cerca de R$ 120 mil ao perito. O advogado do ex-ministro rejeita esse valor.
O perito em questão foi um dos elementos usados pela Justiça para apurar a denúncia de Dirceu, então deputado estadual. Ele questionava judicialmente uma compra de caminhões pelo governo do Estado.
A compra foi feita sem licitação em 1989, pelo então secretário da Segurança Pública, Luiz Antônio Fleury Filho. Ao final do processo, a Justiça concluiu que a compra foi feita "dentro da legalidade" e eximiu o Estado. A ação foi arquivada. Sobraram para o reclamante Dirceu os gastos do processo.
Procurado pela reportagem, o advogado Luiz Carlos Bueno de Aguiar, que defende o ex-ministro da Casa Civil, afirmou que vai recorrer.
Para ele, "é inaceitável que a única casa de Dirceu seja penhorada". O advogado defenderá ainda que a dívida "já prescreveu".
A penhora do imóvel, localizado em Vinhedo (SP), foi decidida por unanimidade pela Justiça em 1º de dezembro, mas ainda não foi publicada no "Diário Oficial". O relator foi o desembargador Oliveira Santos.
O escritório que defende o perito a quem Dirceu deve os honorários afirma que vai pedir que o imóvel vá a leilão "o mais rapidamente possível".
"Não podemos comentar processos em andamento, mas nesse caso está claro que o ex-ministro não quer pagar o que deve. E deve, aliás, a um profissional que nada tem a ver com seus interesses políticos, sejam os do passado, sejam os atuais", declarou o advogado Kiomori André Mori, 36.
À época da ação de Dirceu contra o governo de São Paulo, os honorários do perito foram estipulados em 144,3 salários mínimos (em valores de 1990). Com a atualização desses valores, o montante chega a cerca de R$ 120 mil.

Roubo

A propriedade penhorada de Dirceu está localizada em um condomínio de alto padrão.
O imóvel, aliás, foi assaltado em novembro de 2005, quando uma dupla criminosa arrombou o local.
Segundo o boletim de ocorrência lavrado na delegacia de Vinhedo, foram furtadas "uma TV de plasma de grande porte", "charutos importados" e "guloseimas finas". Também houve leve depredação: os criminosos beberam uísque importado e fumaram charutos do ex-ministro em seu próprio quarto.
Não havia pessoas na casa no momento do crime. Nem bandidos nem objetos foram jamais encontrados.
A segurança do condomínio disse à polícia só ter notado o arrombamento na manhã seguinte ao crime.

MOMENTO BLUES - HOMENAGEM AS NOSSAS RAÍZES

BLUES

Uma definição completa e exata do Blues é difícil, pois, se ele é, claro, um gênero musical, foi também muito mais que isso para o povo negro americano que o criou. E, se os especialistas analisam (freqüentemente com certa dificuldade) o Blues em termos musicais, os criadores dessa arte só falam dela de forma lírica. Mas escutemos uns e outros. Veja então uma interessante definição musicológica e histórica: "A escala do Blues nasce da contaminação da escala diatônica ocidental pelo sistema africano... As melodias se organizam no interior de um sistema pentatonal que ignora o semitom, compreendendo uma escala de cinco tons inteiros que coincidem com cinco dos intervalos da escala diatônica e não concordam com dois deles, o terceiro e o sétimo, que são semitons na escala diatônica e são, dessa forma, estranhos ao ouvido africano. Quando colocado em contato com uma música de um tom maior diatônico, o africano tem tendência a não mais saber onde se encontra. Todas as vezes em que aproxima do terceiro e do sétimo em qualquer acorde, ele terá tendência a distorcê-los por violentos efeitos de vibrato até que entrem em sua escala alterando por sustenido ou por bemol. 0 tempo passa, e tais modificações tendem a cristalizar-se sob a forma de novas escalas que não devem ser consideradas muito tempo como fantasias... De uma dessas escalas saiu toda a tradição do jazz americano. Essa escala, que é a maior adicionada de terceiras e de sétimas menores, foi algumas vezes chamada de "escala Blues". A escala Blues apresenta, por conseguinte, dois pontos de ambigüidade: a nota do terceiro grau - a mediante é de bom grado desviada de semitom, determinando assim, com a tônica, um intervalo de terça menor; o mesmo ocorre com a do sétimo grau - a sensível - determinando assim um intervalo de sétima menor. São essas notas - que fazem com que a escala Blues hesite constantemente entre o modo maior e o modo menor e gere, com isso, seu clima expressivo característico - que chamamos de Blue notes... Essa escala, através do significado equívoco que instaura, comanda toda a música negro-americana autêntica..." Mas que pensam os criadores negros? Destaquemos os títulos de alguns Blues mais conhecidos:
Blues is a feeling, I'm drinking my Blues away, Blues, stay away from me, The Blues will never die. Robert Johnson, no célebre Walkin' Blues, vai mais longe e define: Some people tells you the worried Blues ain't so bad/But it's the worst feelin' a good man' most ever had, que só podemos grosseiramente traduzir por: "Alguns lhes dirão que este Blues atormentado não é tão terrível / mas é o pior sentimento que um homem pode jamais experimentar". E o pianista-cantor Little Brother Montgomery descreve seu encontro com o Blues, magnificamente personalizado em First time I met the Blues: "The first time I met the Blues, I was walking through the woods / He knocked at my house and done me all the harm he could / Now the Blues got after me Lord and run me from tree to tree / You should have heard me begging: `Mister Blues, don't murder me' / Good morning, Mr. Blues, what are you doing here so soon? / You be's with me in the morning and every night and noon ".
Como a abordagem artístico-psicológica do Blues feita por seus criadores aparece assim tão diferente de sua definição musicológica feita pelos especialistas exteriores, tentamos dar conta dessa dualidade no pequeno artigo "Blues" da Enciclopédia do Blues: "Define-se em geral o Blues através de diversas características técnicas: e uma parte cantada poética de 12 compassos segundo o esquema A-A-B... mas esses compassos são muito irregulares, deixando lugar a uma resposta do instrumento: essa interação entre o canto e a parte instrumental é uma outra característica do Blues (e estendeu-se a toda a música negra americana): o instrumento prolonga ou imita a voz humana. 0 Bluesman não se acompanha ao violão, ele o faz responder a sua voz; desde então, a exatidão métrica, as notas trocadas corretamente ou a melodia do conjunto contam menos que as inflexões tiradas do instrumento, a sonoridade que se lhe dá e a intensidade da emoção do músico no momento em que toca (feeling)... o Blues é uma música relativamente rígida e limitada, o que freqüentemente dá a impressão a um ouvinte menos advertido de que 'todos os Blues são iguais'. É claro que isso não é verdade, mas um Blues difere de outro segundo a qualidade do swing e do feeling transmitido pelo artista, e o amador julga o músico a partir de sua aptidão em comunicar seus sentimentos. Em nossa opinião, ainda que cômoda, não podemos nos limitar à definição técnica do Blues. Pois, música de origem africana, o Blues desempenhou um papel considerável na história do povo negro americano, sendo que o Bluesman ocupou na América, com toda evidência, o lugar ocupado pelo feiticeiro da África, que era também simultaneamente poeta e músico. A comunidade negra pedia ao Bluesman que fosse compositor, improvisador, poeta, coletor e arranjador de temas tradicionais, cantor, virtuose de seu instrumento, animador público, sociólogo, e ele era julgado por seus contemporâneos pela extensão de seus talentos em todos esse campos... Além disso, o Bluesman também desempenhava um papel psicoterápico para si mesmo e para seu auditório. Juntos, encontravam no Blues um efeito catártico para seus tormentos. Aliás, o termo 'Blues' mal-definido é geralmente sinônimo de fossa... Melhor que uma longa exegese, o título de um Blues célebre resume bem tudo o que é essa música:
The Blues ain't nothing but a good man feeling bad (0 Blues não é nada além de um bom homem se sentindo mal)". A partir desses pontos de vista diferentes mas complementares, agora compreende-se sem dúvida que o Blues foi, no sentido amplo do termo, uma música étnica: a criação espontânea do povo negro-americano que, condenado ao isolamento e ao desespero, carregou de toda emoção a única forma de arte que lhe foi verdadeiramente aberta na África: a música. Então o Blues, para ser compreensível, deve ser recolocado em seu contexto real: o itinerário histórico, psicológico, sociológico do povo negro em terra americana, do qual foi a expressão privilegiada, seguindo sua evolução e desposando seus contornos.

http://rapidshare.com/files/165297302/CELSO_B_BOY_-_RIO_DAS_OSTRAS.rar



CLUBE DE PATIFES - BIG BLUES BAND





Usar senha/password: 360grauss.blogspot.com

MADE IN BRAZIL - IN BLUES





AVE DE VELUDO - ELÉTRICO BLUES



BLUES ETÍLICOS - SAN - HO - ZAY



ANDRÉ CHRISTOVAM - MANDINGA (1988)



BEBECO GARCIA - CONFIDENCIAL

VALEU PARCEIROS PIRATA DO ROCK E STAY ROCK